Início | Notícias | História | Benefícios | jurídico | Informe Geral | Fotos | Vídeos | Guia Sindical | Guia Assistencial | Publicações

Notícia

Organizados pelo Sinticom, manifestação na entrada do Comperj vai ocorrer a partir das 6h de quinta-feira, 29 de agosto


ITABORAÍ - Na manhã desta quarta-feira, 28 de agosto, o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção Civil e Pesada, Montagem e Manutenção Industrial de São Gonçalo, Itaboraí e Região (Sinticom) reuniu cerca de 350 trabalhadores demitidos das obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Todos eram vinculados à Multitek Engenharia - uma das empresas contratadas pela Petrobras no complexo. Devido ao grande número de participantes, o Sinticom realizou a assembleia, na casa de espetáculos "Garagem do Forró", na Av. 22 de Maio - Outeiro das Pedras, em Itaboraí. Entre 9 e 11h, o presidente do Sinticom, Manoel Vaz, prestou esclarecimentos sobre as ações do sindicato para acelerar tanto o pagamento das verbas rescisórias dos 430 trabalhadores - deligados pela Multitek no último dia 9 de agosto -  como também os pleitos junto à Petrobras e às demais empresas e consórcios do Comperj para a recontratação imediata do maior número possível de trabalhadores.

 

Em decorrência da demora do Poder Judiciário em conceder medida cautelar que garanta o pagamento das verbas rescisórias e diante do que o dirigente sindical Manoel Vaz qualifica como "omissão da Petrobras", os trabalhadores deliberaram por uma manifestação nos portões de acesso do Comperj, na manhã de quinta-feira, 29 de agosto. Será bloqueada a entrada dos ônibus da Petrobras no canteiro de obras. O Sinticom está disponibilizando todo o suporte logístico e jurídico para a manifestação.

 

De acordo com o jornalista Vinicius Nader, em reportagem publicada em 27 de agosto n"O Estado de S.Paulo, a Multitek demitiu todos os seus 1,7 mil funcionários - 430 deles alocados no Comperj. Segundo O Estado, a empresa rescindiu os contratos porque a Petrobras não teria respondido notificação extrajudicial em que a Multitek pleiteava "pagamentos adicionais" num montante de R$ 245 milhões. Em nota, a Petrobras informou que a Multitek vinha recebendo os pagamentos em dia e que foram realizados todos os pagamentos de seus compromissos nos prazos estabelecidos em contrato.

 

SINDICATO RECORRE AO MINISTÉRIO PÚBLICO PARA GARANTIR NEGOCIAÇÃO

 

Na terça-feira, 27 de agosto, o Sinticom protocolou na Procuradoria Regional do Trabalho da 1º Região, em Niterói, requerimento de uma mesa redonda com a Multitek Engenharia e com a Petrobras. No documento, o presidente do sindicato, Manoel Vaz, indica como principal finalidade a urgente "composição de conflito" e aponta: "Infelizmente, não se trata de uma situação isolada já que contratos de terceirizações e quarteirizações de mão de obra são frequentes no Comperj, com total permissão e participação da Petrobras"".

 

De acordo com o Manoel Vaz, "apenas o bloqueio da fatura da empresa contratada poderá, efetivamente, resguardar o dinheiro devido aos trabalhadores, evitando que ele se dissipe". Cabe lembrar que, de acordo com a própria Petrobras, houve rompimento unilateral de contrato e que a Multitek teria informado sobre as demissões "por motivos financeiros". Como, em 9 de agosto, a Multitek garantira ao Sinticom que pagaria as verbas rescisórios no prazo legal de dez dias, ou seja, em 19 de agosto - o que efetivamente não ocorreu - o sindicato move ação na Justiça contra a empresa (veja nota do dia 21 de agosto, abaixo).

 

IMPRENSA SINTICOM

Henri Figueiredo - Jornalista - 21 7236.5831

 

 

CONHEÇA A NOTA DO SINTICOM DE 21 DE AGOSTO

 

COMPERJ

 

 

Sinticom entra na Justiça para garantir pagamentos de rescisões da Multitek

 

ITABORAÍ E SÃO GONÇALO - O Sinticom (Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção Civil e Pesada, Montagem e Manutenção Industrial de São Gonçalo, Itaboraí e Região) está acionando a Justiça para garantir os direitos de mais de 400 trabalhadores demitidos da Multitek Engenharia – contratada da Petrobras nas obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). O presidente do Sinticom, Manoel Vaz, está surpreso e indignado com a atitude a Multitek já que os representantes da empresa tinham afirmado, em 9 de agosto, que iriam honrar os pagamentos das rescisões de contrato dentro do prazo legal de 10 dias.

“Fica evidente que a empresa não tinha os recursos próprios e contava com repasse dos faturamentos da Petrobras – o que não se efetivou”, aponta Manoel Vaz.

Diante do fato, o Sinticom vai atuar em duas frentes. No campo jurídico, o sindicato está ajuizando ação cautelar para buscar recursos tanto da contratada (Multitek) quanto da contratante (Petrobras) para garantir a quitação das rescisões.

De acordo com o presidente do sindicato, Manoel Vaz, a segunda frente de ação é procurar o quanto antes as demais empresas que atuam no Comperj para tratar da recontratação dos trabalhadores demitidos da Multitek.

“Estamos também agilizando, além da garantia dos direitos rescisórios dos trabalhadores, a baixa imediata da Carteira de Trabalho para facilitar o novo vínculo empregatício”, explica Manoel Vaz.

Para um dos advogados do Sinticom, Dr. Amaury Rinaldo Paciello, a Multitek está alegando não ter dinheiro para quitar as verbas rescisórias porque não teria recebido recursos da Petrobras. “Mais de 400 trabalhadores foram demitidos sem justa causa e os prazos legais não foram cumpridos”, lembra Paciello. De acordo com ele, para a Justiça quem responde subsidiariamente é a Petrobras – por ser a real beneficiária da mão de obra. “Por isso, os trabalhadores podem ter certeza de que o Sinticom, na figura de seu presidente, vai usar de todos os mecanismos jurídicos e há grande possibilidade do juiz se sensibilizar com um caso tão grave quanto este”, diz o advogado.

 [Imprensa do Sinticom]

Henri Figueiredo - Jornalista - 21 7236.5831

CONTATO DO PRESIDENTE DO SINTICOM, MANOEL VAZ - 21 7758.1478

CONTATO DO SINTICOM - 21 2712.5735 ou 21 4063.6502



28/08/2013

TV Sinticom SG

Contibuição Sindical

Clique para emitir sua contribuição


Contribuição Assist.

Clique para emitir sua contribuição


Convênios

Cartilhas Sinticom

Sedes do sindicato

Sede São Gonçalo (Matriz)
Av. Presidente Kennedy, 217 - Centro
(21) 2712-5020 / 3857-9401
Sede Itaboraí (Subsede)
Av. Dr. Macedo, 04 - Centro
(21) 2639-0484
Sede Cabo Frio (Subsede)
Av. Julia Kubitschek, 39 Sobreloja 07 - Parque Riviera
(22) 2647-5635


SINTICOM - SINDICATO DOS TRABALHADORES DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL E PESADA, MONTAGEM E MANUTENÇÃO INDÚSTRIAL, OLARIA, CERÂMICA, MOBILIÁRIO, MÁRMORE E GRANITO DE SÃO GONÇALO, ITABORAÍ E REGIÃO